Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

Mudei-me

Fartei-me do Sapo. Não se justifica que para postar uma foto ou um video tenha que fazer tantos passos. Fui para o Blogger onde a edição é certamente mais facil.

Espero que continuem a visitar-me!

 

A nova morada é:

 

 

 

 

http://ferrixfotoblog.blogspot.com


publicado por dub_bud às 13:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 2 de Fevereiro de 2008

No centenário... um manifésto.

«Sou pelas greves como sou por todos os métodos de resistência utilizados pelos fracos, pelos oprimidos, em defesa dos seus legítimos interesses (...). O meu ódio maior, a minha mais viva repulsa, dirigem-se aos patrões burgueses que nos exploram e que sem altivez servimos.»
Alfredo Costa, segundo Aquilino Ribeiro (Um Escritor Confessa-se, Lisboa, 1974, p. 361)


«A elaboração do regicídio operou-se fora da nossa presença [dos republicanos] e sem a nossa cumplicidade (...). Não foi pois a revolução que o matou [D.Carlos], mas sim a anarquia.»
João Chagas, político republicano (Subsídios Críticos para a História da Ditadura, Lisboa, 1908, pp. 8-11)

 

Celebramos, no dia 1 de Fevereiro de 2008, o centenário de um acto glorioso de emancipação social, como sempre é, a execução de um rei. Os regicidas que, em 1908, levaram a cabo o bem sucedido atentado contra o rei e o príncipe herdeiro –, Alfredo Luís Pereira da Costa, ex-administrador do semanário sindicalista da sua classe profissional, «O Caixeiro», e Manuel dos Reis Buíça, professor do ensino livre –, eram homens de uma consciência social profunda, que os levou a sacrificar a sua vida pela concretização dos seus ideais de liberdade e igualdade social.

 

Para muitos, como Buíça e Costa, a República surgia como uma possibilidade de realizar as aspirações por um mundo livre e igual. Seria também uma forma de acabar com a repressão que pendia sobre o crescente movimento operário e libertário, acabando com as famigeradas leis anti-anarquistas e com as prisões e deportações para África e Timor, de onde poucos voltavam.

 

Mas as esperanças do povo que saiu à rua para implantar a República, em 5 de Outubro de 1910, foram frustradas, quando, instalados no poder, os republicanos se converteram em opressores tão ou ainda mais ferozes que os monárquicos. Por isso, o movimento operário, anarco-sindicalista, cresceu a partir de 1911 contra a República, enfrentando a sua repressão.

 

Hoje, como nestes tempos, os governantes, qualquer que seja a sua cor política, servem sempre os seus interesses e os da máquina capitalista. Só a luta autónoma, auto-organizada e directa pela recuperação do controlo sobre as suas vidas, pode surtir algum efeito contra aqueles que nos oprimem e exploram todos os dias.

 

HOJE COMO ONTEM, GUERRA A TODOS OS QUE NOS OPRIMEM, MONÁRQUICOS OU REPUBLICANOS, FASCISTAS OU DEMOCRATAS!

 

 

@s amig@s de Costa e Buíça


publicado por dub_bud às 18:38
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Novembro de 2007

Outono na Quinta

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por dub_bud às 09:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

A mesma notícia, diferentes versões...



Esgotos podem estar na origem da morte de oito ovelhas
Oito ovelhas foram encontradas mortas em Molelos, Tondela. Os animais faziam parte de um rebanho de 200 que apresentaram sintomas de envenenamento. As águas que saem dos emissores dos esgotos poderão ter sido a causa das mortes.
Ontem, ao final da manhã uma equipa do SEPNA da GNR deslocou-se ao local da pastagem para recolha das águas que serão agora analisadas.
Os animais começaram a cair para o lado, com vómitos e espasmos, e de imediato as autoridades foram alertadas. O veterenário foi ao local, mas pouco pôde fazer a não ser o tratamento aos animais para evitar mais mortes.
Os proprietários das ovelhas estão desolados com a tragédia, pois a morte das cabeças representa milhares de euros de prejuízos. "É uma desgraça para o nosso orçamento, já que vivemos dos redimentos da venda das carne, leite e seus derivados", lamentou João Sousa. O agricultor explicou que as ovelhas estavam prenhas, o que eleva ainda mais o prejuízo. "Mesmo as que se safaram, o mais certo é que venham a abortar", sustentou.
Este foi um caso que lhe fez lembrar um outro ocorrido há cerca de cinco em que perdeu 35 animais. Na altura, a causa foi envenenamento com laranjas.

Água inquinada

Agora, as águas inquinadas que saem do emissário dos esgotos na Quinta do Paço, local onde as ovelhas estavam a pastar, parece ser a tese mais consistente para justificar as mortes. Os proprietários da Quinta, que arrendam o espaço ao proprietário das ovelhas para o pastoreio, há muito que vêm alertando para a existência de problemas com o emissário.
Manuel Ferros recordou que por diversas vezes alertou as autoridades para o rebenamento das tampas das caixas dos esgotos que provoca o escoamento das águas para o terreno da Quinta. Desde contactos para a Câmara, até denúncias feitas para a linha SOS Ambiente, o proprietário lamentou que até hoje não tenha recebido uma resposta.
"Foi em 2005 que detectámos o primeiro entupimento e de então para cá já aconteceram, pelo menos, oito derrames", começou por contar Manuel Ferros. Disse que na altura foram feitas análises à terra e à água do poço que serve a Quinta e que o delegado de saúde alertou para o facto do líquido não estar em conformidade. "Foi-nos até dito que a água nem para lavar serve", frisou.
Com cerca de 15 hectares, o proprietário disse que por causa desta situação apenas utiliza um terço da área do espaço, com receio que o restante esteja poluído.
Para Manuel Ferros, o mau uso da conduta, em que as pessoas lançam para os esgotos todo o tipo de material, e possivelmente ligações clandestinas de águas pluviais podem estar na origem dos entupimentos e no derrame da água para os terrenos que são atravessados por uma pequena ribeira.
Na sua opinião, e mesmo antes que a Câmara resolva o problema de raiz, ou seja a construção de um emissário mais largo e que comporte todos os efluentes, a população deveria ser sensibilizada. "Não custava nada à Câmara gastar uma centena de euros e fazer uns planfletos onde se explica às pessoas o que devem ou não fazer", sustentou.

Câmara estuda solução

Contactado pelo nosso Jornal, o vereador responsável pelo Pelouro do Ambiente, José António Jesus disse que a Câmara está a acompanhar toda a situação, mas que, para já, nada indica que haja uma causa directa entre o problema do emissário e a morte dos animais. "Temos que aguardar pelo resultado das análises que também já nos disponibilizámos a mandar fazer", disse.
O autarca anunciou ainda que uma solução para o local está a ser estudada. "Estamos a ver quais as soluções técnicas para evitar as rupturas que se têm verificado nos últimos dois anos", frisou, lembrando que aquele emissário comporta os esgotos de 4 a 5 mil utilizadores. 

 

 


CORREIO DA MANHÃ:



Ovelhas mortas e outras moribundas
Autoridades estão a investigar envenenamento de rebanho

Até ontem tinham morrido sete animais mas os donos do rebanho suspeitam que poderão morrer cerca de três dezenas. “Algumas estão moribundas e não vão resistir”, referiu Maria Sousa, proprietária do rebanho constituído por 200 animais.

Os militares do SEPNA e o veterinário municipal estiveram na propriedade a recolher provas, de modo a apurar as causas da morte das ovelhas. Segundo os proprietários, tudo aponta para que os animais “tenham sido envenenados”. “As ovelhas começam por vomitar, deitar espuma pela boca e depois até rebentam”, disse Maria Sousa, salientando que já é a segunda vez “que os animais ingerem veneno”. Cada ovelha tem o valor de 200 euros e algumas estavam grávidas.

No entanto, não está colocada de parte a possibilidade de os animais terem sido mortos na sequência do rebentamento da conduta dos esgotos públicos. Esta é a opinião de Manuel Ferros, proprietário da quinta onde o rebanho pasta. “Desde 2005 que os canos dos esgotos têm problemas. Desta vez voltaram a rebentar e os dejectos caíram para um ribeiro onde os animais bebem”, acrescentou, salientando que já alertou as entidades competentes mas estas “ignoraram o caso”.


Luís Oliveira, Viseu


SOL:

Tondela
Dono de rebanho dizimado contabiliza prejuízo de mais de 1600€
O dono do rebanho cujas ovelhas terão sido envenenadas numa pastagem de Molelos, concelho de Tondela, contabiliza já um prejuízo de mais de 1.600 euros com os animais mortos, que prevê ir aumentar consideravelmente nos próximos dias

João Adelino é proprietário de um rebanho de 420 ovelhas, 200 das quais estavam na sexta-feira a pastar num terreno da Quinta do Paço, Molelos, quando começaram a morrer, supostamente envenenadas pela água de um ribeiro.

«Morreram oito, que foram recolhidas hoje por uma empresa, mas há muitas caídas, com problemas, a vomitar, que vão morrer ou abortar», lamentou, em declarações à Agência Lusa.

Segundo João Adelino, «as 200 ovelhas desta pastagem estavam todas prenhas» e deveriam em breve ter as crias, uma média de duas por animal. Cada uma das ovelhas vale mais de 200 euros, garantiu.

É por isso que estima que o prejuízo já tido com os oito animais mortos vá «aumentar muito mais», com a morte de outros e os abortos.

Habitualmente, João Adelino fica com algumas crias para rejuvenescer o rebanho, vendendo as restantes. À semelhança do que tinha já afirmado à Lusa o veterinário que está a acompanhar a situação, João Adelino considera que as ovelhas foram envenenadas pela água do ribeiro que está junto à pastagem.

«Que se trata de envenenamento, parece não haver dúvidas. Resta saber com o quê», afirmou, contando que ao ribeiro acabam por ir parar esgotos da povoação, devido a uma deficiência na tampa de uma conduta.

«Naquela zona o pasto até está todo queimado», frisou.

João Adelino contou que, terça-feira, levará uma das ovelhas que se encontra doente ao laboratório da Estação Agrária, «para a abaterem lá, analisarem os seus órgãos e tentarem saber o que provocou o envenenamento».

Hoje, quer elementos do Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente do destacamento de Santa Comba Dão da GNR, quer da Câmara de Tondela, estiveram no local a recolher água do ribeiro para análise.


Lusa/SOL


 

AGRONOTÍCIAS



Tondela: GNR recolhe amostras de água de ribeiro que poderá ter causado morte a ovelhas

A GNR recolheu ontem amostras da água de um ribeiro situado junto a uns pastos da freguesia de Molelos, no concelho de Tondela, que poderá ter originado a morte a várias ovelhas de um rebanho.

A edição de ontem do Jornal de Notícias avançava que o rebanho, de 200 ovelhas, terá sido envenenado, tendo oito delas já morrido desde a tarde de sexta-feira, na Quinta do Paço, em Molelos.

O veterinário que se encontra a acompanhar a situação, Rui Almeida, disse à Agência Lusa que, além dos animais que morreram, "estavam outros bastante mal, de seis a dez".

"Os restantes encontram-se em observação", acrescentou o veterinário.

Rui Almeida explicou que os sintomas apresentados pelos animais "são compatíveis com envenenamento", admitindo a possibilidade de este ter acontecido devido à água do ribeiro, por os animais a terem bebido ou terem comido os pastos que a absorvem.

Segundo disse, o ribeiro acaba por vezes por receber esgotos, porque se trata de "uma conduta um bocado estreita, cujas tampas saltam quando há mais chuva".

"A zona do pasto que é molhada por esta água até é mais amarela", acrescentou.

A GNR deslocou-se ao local logo ao final do dia de sexta-feira, mas só ontem é que a sua equipa do ambiente esteve a recolher amostras para serem submetidas a análise, pois, como se trata de um terreno particular, a recolha da água tem de ser feita a pedido dos proprietários.

Contactados pela Lusa, quer o presidente da Junta de Freguesia de Molelos, Horácio Rodrigues, quer o delegado de saúde de Tondela, José Augusto, disseram desconhecer o que se passou com o rebanho.


SIC NOTICIAS


publicado por dub_bud às 12:57
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007

Artigo de Nuno Markl - para a geração dos 30



    A juventude de hoje, na faixa que vai até aos 20 anos, está perdida. E
está perdida porque não conhece os grandes valores que orientaram os que
hoje rondam os trinta. O grande choque, entre outros nessa
conversa, foi quando lhe falei no Tom Sawyer. 'Quem? ', perguntou ele.
Quem?! Ele não sabe quem é o Tom Sawyer! Meu Deus... Como é que ele
consegue viver com ele mesmo? A própria música: 'Tu que andas sempre
descalço, Tom Sawyer, junto ao rio a passear, Tom Sawyer, mil amigos
deixarás, aqui e além...' era para ele como o hino senegalês cantado em
mandarim.

    Claro que depois dessa surpresa, ocorreu-me que provavelmente ele não
conhece outros ícones da juventude de outrora. O D'Artacão, esse herói
canídeo, que estava apaixonado por uma caniche; Sebastien et le Soleil,
combatendo os terríveis Olmecs; Galáctica, que acalentava os sonhos dos
jovens, com as suas naves triangulares; O Automan, com o seu Lamborghini
que dava curvas a noventa graus; O mítico Homem da Atlântida, com o
Patrick Duffy e as suas membranas no meio dos dedos; A Super Mulher,
heroína que nos prendia à televisão só para a ver mudar de roupa (era às
voltas, lembram-se?); O Barco do Amor, que apesar de agora reposto na
Sic Radical, não é a mesma coisa. Naquela altura era actual... E para
acabar a lista, a mais clássica de todas as séries, e que marcou mais
gente numa só geração :

    O Verão Azul. Ora bem, quem não conhece o Verão Azul merece morrer. Quem
não chorou com a morte do velho Shanquete, não merece o ar que respira.
Quem, meu Deus, não sabe assobiar a música do genérico, não anda cá a
fazer nada.

    Depois há toda uma série de situações pelas quais estes jovens não
passaram, o que os torna fracos: Ele nunca subiu a uma árvore! E pior,
nunca caiu de uma. É um mole. Ele não viveu a sua infância a sonhar que
um dia ia ser duplo de cinema. Ele não se transformava num super-herói
quando brincava com os amigos. Ele não fazia guerras de cartuchos, com
os canudos que roubávamos nas obras e que depois personalizávamos.

    Aliás, para ele é inconcebível que se vá a uma obra. Ele nunca roubou
chocolates no Pingo-Doce. O Bate-pé para ele é marcar o ritmo de uma canção.


Confesso, senti-me velho...

Esta juventude de hoje está a crescer à frente de um computador. Tudo
bem, por mim estão na boa, mas é que se houver uma situação de perigo
real, em que tenham de fugir de algum sítio ou de alguma catástrofe,
eles vão ficar à toa, à procura do comando da Playstation e a gritar
pela Lara Croft.

Óbvio,
nunca caíram quando eram mais novos. Nunca fizeram feridas, nunca
andaram a fazer corridas de bicicleta uns contra os outros. Hoje, se um
miúdo cai, está pelo menos dois dias no hospital, a levar pontos e fazer
exames a possíveis infecções, e depois está dois meses em casa fazer
tratamento a uma doença que lhe descobriram por ter caído. Doenças com
nomes tipo 'Moleculum infanticus', que não existiam antigamente.

No meu tempo, se um gajo dava um malho muitas vezes chamado de 'terno'
nem via se havia sangue, e se houvesse, não era nada que um bocado de
terra espalhada por cima não estancasse.

Eu hoje já nem vejo as mães virem à rua buscar os putos pelas orelhas,
porque eles estavam a jogar à bola com os ténis novos. Um gajo na altura
aprendia a viver com o perigo. Havia uma hipótese real de se entrar na
droga, de se engravidar uma miúda com 14 anos, de apanharmos tétano num
prego enferrujado, de se ser raptado quando se apanhava boleia para ir
para a praia. E sabíamos viver com isso. Não estamos cá? Não somos até a
geração que possivelmente atinge objectivos
maiores com menos idade? E ainda nos chamavam geração 'rasca'...

Nós éramos mais a geração 'à rasca', isso sim. Sempre à rasca de
dinheiro, sempre à rasca para passar de ano, sempre à rasca para entrar
na universidade, sempre à rasca para tirar a carta, para o pai emprestar
o carro. Agora não falta nada aos putos.

Eu, para ter um mísero Spectrum 48K, tive que pedir à família toda para
se juntar e para servir de presente de anos e Natal, tudo junto. Hoje,
ele é Playstation, PC, telemóvel, portátil, Gameboy, tudo.

Claro, pede-se a um chavalo de 14 anos para dar uma volta de bicicleta e
ele pergunta onde é que se mete a moeda, ou quantos bytes de RAM tem
aquela versão da bicicleta.

Com tanta protecção que se quis dar à juventude de hoje, só se conseguiu
que 8 em cada dez putos sejam cromos.

Antes, só havia um cromo por turma. Era o totó de óculos, que levava
porrada de todos, que não podia jogar à bola e que não tinha namoradas.

É certo que depois veio a ser líder de algum partido, ou gerente de
alguma empresa de computadores, mas não curtiu nada.


publicado por dub_bud às 19:07
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 11 de Julho de 2007

Mais uma Banhada!

    O Batráquio decididamente vai à vida. Um Senhor muito simpático da Cabovisão, veio cá a casa e convenceu-me a trocar os meus serviços da televisão, Internet e telefone (que no meu caso eram todos do grupo PT.com), para o pacote "três em um" da Cabovisão.

    Nas contas feitas ali a correr eu ganho cerca de 20 € mês em relação  aos três contratos anteriores. Sendo que a televisão é só para quando os meus pais cá vêm e o telefone fixo é um objecto quase em extinção, sondei quais eram os pacotes de Internet mais vantajosos e optei pelo máximo que estes senhores vendem: 25 Mbps. - 60 Gigabytes de tráfego (ilimitado na happy hour das 01:00 às 09:00). Ora o batráquio estava a vender-me uma linha de 4 Mbps, com downloads nacionais ilimitados e 60 Gigabytes de tráfego internacional.             Pareceu-me bem, principalmente por causa do projecto da rádio que ando a desenvolver. Por causa exactamente deste projecto o que mais me dava jeito era a velocidade de upload para poder ligar o máximo número de ouvintes ao meu pc durante as emissões. O senhor comercial da Cabovisão sabia tudo à cerca dos canais de televisão que me queria vender, mas não sabia nada do serviço de Internet. Depois de uns telefonemas lá descobri que a velocidade de upload seria de  1 MB ou seja 1024 kbytes por segundo.
    Lá acertei as coisas com eles, marcou-se a instalação, vieram instalar tudo e apenas tive que esperar cerca de 24 horas para ter tudo a funcionar.

    Como estava realmente entusiasmado com a ideia de ter Internet a 25 Mbps fui logo fazer aqueles testes da praxe. Espanto! Medo! não conseguia valores acima de 150 Kbps...

    Liguei para a o apoio ao cliente e um rapazito que por lá andava, para aí a fazer limpezas, atendeu o telefone e sugeriu-me então fazer uns testes, e logo me encaminhou para um site, num servidor da Cabovisão onde me sugeriu fazer o download de um ficheiro de cerca de 30 Mb, tal como era de esperar o download arrancou muito bem mas estabilizou ali nos 230 kbps, pelas contas muito rápidas daquele energúmeno, isto queria dizer que a minha linha estava com cerca de 25Mb por segundo... Depois de lhe explicar que não, que aquilo queria dizer que a minha linha estava era a 2.5 Mb por segundo. Rápido vi que com aquele gajo não me safava, fiz-lhe mais meia duzia de perguntas, às quais ele me respondeu categoricamente que não tinha formação para me responder, e desliguei! Passado uma horas, voltei a ligar e a menina que lá estava, com um bocadinho mais formação que o cavalheiro anterior, teve a delicadeza de me explicar que o meu processo ainda não tinha chegado à sede da Cabovisão, logo não tinham as informações técnicas da instalação para fazerem as configurações adicionais. Novamente, levou-me a um site do servidor da Cabovisão para descarregar o mesmo ficheiro e para chegar à mesma conclusão.
    Bom, passado dois dias, voltei aos testes à minha linha, desta vez a coisa já andava a oscilar entre os 6 e os 12 Mbps, embora estes valores sejam completamente dispares em testes com intervalos de 15 segundos. Como o batráquio, ainda assim, nunca me conseguiu dar mais de 4Mbps já não é mau de todo.
    A segunda surpresa foi quando, este mês, decidi consultar o tráfego realizado, para chegar à conclusão que estes malandros contabilizam os Uploads no tráfego mensal. Assim, este projecto da rádio pode levar-me à falência....
    Agora o mais curioso (ou não?), é que na área do cliente da Cabovisão, existe um medidor de largura de banda de Internet. Os testes feitos lá dão-nos a ideia que temos uma linha dedicada hiper rápida, de fazer inveja aos senhores da Cisco.
    Para comparar fiz o teste deles e logo a seguir o teste da Beltronica (http://www.abeltronica.com/velocimetro/pt/?idioma=pt&newlang=pt) o Resultado foi este:



Speedteste Cabovisão



Velocimetro A Beltrónica




Sim é verdade, aquele teste mediu uma velocidade de 87.15 Mbps! É pena que o mundo não esteja todo alojado nos servidores Cabovisão! E Para quando um ISP menos ladrão?








publicado por dub_bud às 17:47
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Julho de 2007

"Se quiser, peça para sair da União Europeia".

Ministro da Agricultura e comissário das Pescas vaiados na lota de Matosinhos
03.07.2007 - 10h26 Lusa

O ministro da Agricultura, Jaime Silva, e o comissário europeu das Pescas, Joe Borg, foram hoje recebidos na lota de Matosinhos com protestos dos pescadores locais.

No início da visita, o presidente do Sindicato de Pescadores do Norte, António Macedo, confrontou Jaime Silva com a redução das quotas de pesca e com a sucessiva perda de competitividade do sector, bem como com o futuro da Docapesca de Matosinhos.

Em resposta, o ministro disse que está em curso um estudo encomendado pelo Ministério da Agricultura para definir a solução a dar à Docapesca. Contudo, Jaime Silva adiantou que o Governo preconiza a privatização ou a constituição de uma organização de pescadores.

O assunto será ainda discutido entre os sindicatos e o Governo, referiu o ministro.

Ambas as soluções foram contestadas pelo sindicato, numa troca acesa de palavras entre os pescadores e Jaime Silva.

No final desta interpelação feita ao ministro, um pescador reclamou, sobretudo, contra a política das pescas, ao que o ministro respondeu: "Se quiser, peça para sair da União Europeia".


 

in: Público on-line, edição de hoje.


publicado por dub_bud às 12:48
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Junho de 2007

Coimas-fantasma atingem 70 mil contribuintes de IVA

Como o estado é sempre "pessoa de bem", e nós os contribuintes, uma cambada de aldrabões, chulos e chupistas, nada como inventar umas coimazitas para arrecadar "perto de 8,7 milhões de euros."
    Dizia uma velhinha, para a televisão, há uns anos, durante uma campanha eleitoral:
    _"Este Salazar é mais simpático que o outro!" 
    E de facto, parece-me agora, como dantes, que é tudo uma questão de cheiro....
    A prepotência destes F.D.P. (sim filhos da puta!) que nos governam está à vista de toda a gente. Um professor demitido por fazer comentários jocosos  do Salazar actual, ou mais recentemente, a directora de um centro de saúde  que foi despedida por não retirar um cartaz que fazia humor com uma entrevista dada por um dos capangas (leia-se ministro) deste salazar, mostram que em democracia não é preciso nenhuma PIDE DGS para resolver os casos de delito de opinião, o poder central encarrega-se disso. Agora a questão que se põe é a seguinte:
     - Quanto custou este pequeno erro da administração central?
    - Quantas horas de trabalho foram gastas na preparação e expedição destas 65000 cartas?
    -  Quanto custaram ao estado os portes destas 65000 cartas?
     - Quanto papel foi gasto desnecessariamente nestas notificações?
     - Será que a administração fiscal vai pedir desculpa a alguém pelos incómodos?
     - E as pessoas que receberam a carta, e antes de ser noticiado este pequeno erro na comunicação social, foram ter com advogados e contabilistas assustados, e pagaram as respectivas consultas, vão ser de alguma forma reembolsados?
     - Quanto é que o estado lucrou com os pagamentos feitos pelas pessoas que achavam que tinham que pagar e pagaram mesmo?
     - Quanto tempo vai o estado levar a devolver o dinheiro aos contribuintes?
     - E durante esse tempo onde é que vai andar a passear esse dinheiro? Na suiça?
     - E agora aquela que me parece a questão central: O que é que vai acontecer ao atrasado mental que provocou este caos?
    A resposta parece-me obvia, o gajo provavelmente vai ser promovido a Secretário de Estado deste Salazar, ou no mínimo não lhe acontece nada, porque o que ele fez não foi tão grave como fazer comentários jocosos acerca dos membros deste "Novo Estado Novo"!
    Já apareceu para aí alguém do governo a falar em "erro informático". Para que não haja enganos, é de referir aos mais desatentos que os computadores não erram! As pessoas que lidam com eles é que sim!!! As pessoas que os programam é que sim! E essas pessoas têm nomes, BI's, números de contribuinte e ordenados chorudos!!! Mas essas cabeças nunca rolam!
    Oh senhor (I)ngenheiro Salazar, depois de ir para a assembleia da republica, no dia em que se devia discutir a Ota, apresentar a "Loja dos Trezentos" do Governo, com computadores baratinhos e tal, choque tecnológico e mais não sei o q, o senhor vem desculpar-se com erros informáticos?
Haja paciência, e como já dizia o outro... "Lourosa! Lourosa! Marrazes! Marrazes!" que embora isto esteja à vista de toda a gente, a malta quer é bola...
 
A patroa recebeu a cartinha.... e vocês?




    "Milhares de contribuintes receberam nos últimos dias notificações da direcção-geral dos Impostos (DGI) em que eram solicitados, sem fundamento, a pagar coimas por alegadamente não terem entregue, dentro do prazo legal, a declaração de IVA (imposto sobre o valor acrescentado) referente ao primeiro trimestre deste ano.
De acordo com o «Jornal de Negócios», a DGI já reconheceu o erro e os serviços de atendimento aos contribuintes estão a prestar a informação de que, nos próximos dias, serão enviadas novas cartas para os visados, anulando as notificações erradamente expedidas.

Nas notificações enviadas, as Finanças davam um prazo de dez dias para que os destinatários procedessem ao pagamento antecipado da coima ou, em alternativa, apresentassem uma defesa escrita ou verbal junto dos serviços. À soma relativa à coima, fixada pelo mínimo previsto legalmente, eram acrescentadas custas. Numa das notificações a que o mesmo jornal teve acesso, datada de 11 de Junho passado, o total a pagar era de 124 euros, já que as Finanças faziam as contas pelo valor mínimo a liquidar, mas sublinhando, no documento, que a penalização máxima podia atingir 1.250 euros. Como o Ministério das Finanças, contactado pelo «Jornal de Negócios», revelou que terão sido notificados cerca de 70 mil contribuintes, a soma mínima que o Estado «arrecadaria», caso os visados tivessem decidido fazer o pagamento solicitado, atingiria perto de 8,7 milhões de euros".


 

in: http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=825827&div_id=1730


 


 

Ainda dentro do mesmo espirito, é notícia hoje:


 

Segurança Social quer cobrar dívidas com 20 anos

Muitos contribuintes da Segurança Social estão a receber notificações para liquidar supostas dívidas referentes aos finais da década de 80 e princípios dos anos 90 e alguns encontraram as contas bancárias "parcialmente" bloqueadas, avança hoje o 'Diário de Notícias'.

DE

Os advogados contestam a "legalidade" dessas notificações, falam na prescrição das dívidas, mas a Segurança Social, pelo contrário, afirma que existem interrupções na contagem das prescrições e reconhece a existência de notificações referentes a dívidas com duas dezenas de anos.

B. Santos, comerciante na zona norte de Lisboa, recebeu há duas semanas uma notificação da Segurança Social. Tem de liquidar o imposto social referente a 1990, 92 e 1995. Nos serviços do ministério, foi-lhe confirmada as "faltas", através de uma "certificação de dívidas". A ele "e a muitos outros comerciantes", como refere o advogado da associação de comerciantes local. Santos garante que nunca fora "intimado" pela Segurança Social para liquidar essas "supostas" dívidas. "Dessa data", afirma, "só tenho os mapas do banco, não tenho as guias de pagamento". Acresce, conclui, que na notificação "nem está identificado o objecto da dívida".

A Segurança Social salienta a existência deste "tipo de dívidas" datadas do início da década de 90, defendendo que "não existem prescrições", afirmou ao 'DN' fonte oficial, que se recusou a quantificar "os supostos" devedores. É que, explica, "podem existir actos suspensivos", que levem à interrupção da contagem da prescrição, como os "praticados pelos serviços internos" ou quando "existem processos em contencioso jurídico, nos tribunais".

Os advogados contestam esta versão da Segurança Social e acusam os serviços ministeriais de usarem legislação actual para lidar com processos antigos. "Os regimes legais aplicáveis são os referentes à data dos factos", realça Tiago Caiado, conhecido fiscalista com escritórios em Lisboa.


in: http://de.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/nacional/economia/pt/desarrollo/1010737.html

publicado por dub_bud às 14:42
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Junho de 2007

Lindo

Até não sou muito apologista de postar cenas da televisão, mas os gajos têm muita pinta...
1ª Parte 2ª Parte

publicado por dub_bud às 20:35
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

Nem mais um Géninho para Timor, nem mais um faroleiro para a Berlenga!

Pois é, hoje o passeio foi à Berlenga, bonita paisagem e MUITA gaivota. Ficam algumas imagens...























































publicado por dub_bud às 00:55
link do post | comentar | favorito

.posts recentes

. Mudei-me

. No centenário... um manif...

. Outono na Quinta

. A mesma notícia, diferent...

. Artigo de Nuno Markl - pa...

. Mais uma Banhada!

. "Se quiser, peça para sai...

. Coimas-fantasma atingem 7...

. Lindo

. Nem mais um Géninho para ...

.arquivos

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Abril 2005

. Dezembro 2004

.links

.pesquisar

 

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.subscrever feeds